Marcelo Azevedo Guimarães, mas conhecido como Mestre Peixinho nasceu em 20 de dezembro de 1947, na cidade de Vitória, no Espírito Santo. Começou a praticar a capoeira em 1964, sendo aluno de Claudio Danadinho, e após conhecerem os irmãos Paulo Flores e Rafael Flores, os dois se integraram ao grupo que mais tarde veio a ser denominado Grupo Senzala, em 1965, sendo assim, um de seus fundadores.

Passou a atuar como professor em 1967, vindo a ser reconhecido Mestre em 1974. Realizou marcantes apresentações em TV e coordenou inúmeras oficinas em comunidades da periferia do Rio. Mostrou a Capoeira em inúmeros circuitos internacionais semeando grupos e discípulos.

Via a capoeira como “porta de entrada” para o contato com a rica diversidade cultural do Brasil, “como a língua, o jongo, o maculelê, o samba de roda e etc”. “Capoeira é um fator de integração social e a que mais divulga a nossa língua no mundo”.

Ministrou aulas de capoeira na UFRJ de 1973 a 1980, na UERJ de 1979 a 1983. Participou de exibições e shows na Sala Cecília Meireles (1969), no teatro Municipal (1971), Festival Internacional na Ilha de Reunion (1977), Projeto Brasil em Preto e Branco, durante seis meses na Europa. Foi o organizador do primeiro encontro europeu de capoeira, em Paris, no ano de 1987 e a partir daí, realizou outros encontros europeus, assim como os encontros escandinavos de capoeira, a partir de 1990.

Mestre Peixinho coordenava um extenso grupo de professores que ensinam em diversas cidades brasileiras, européias e americanas do norte.

O Grupo senzala constituiu-se nos anos sessenta e foi crescendo procurando aperfeiçoar-se por meio de contatos com outros capoeiristas, através do treinamento intensivo e na procura dos fundamentos com a velha Guarda da Capoeira carioca, passando também vários períodos em Salvador, Bahia.

Em 1967 foi criado o troféu Berimbau de Ouro, prêmio que seria entregue ao melhor grupo de capoeira. O grupo à procura de outras experiências se inscreveu para esse torneio, e para surpresa geral, foi o vencedor. A Senzala repetiu o feito por mais 2 anos consecutivos e em 1969, conquistou o prêmio permanentemente.

Isso fez o grupo Senzala ganhar destaque e reconhecimento nacional, tornando-se um nome de respeito dentro da capoeiragem.

Mais tarde, o grupo foi se descentralizando, com seus membros ensinando em diferentes locais, entre clubes, academias e universidades. E passou a se reunir em eventos para a graduação de alunos e formação de novos “Mestres”.

Atualmente, o grupo Senzala tem representantes em todo o Brasil e em outros países.

Nós últimos anos de sua vida, Mestre Peixinho enfrentou uma longa batalha contra um câncer, que acabou vencendo-o, vindo á falecer no dia 16 de maio de 2011.

Porém, a grandiosidade de seu tome e os feitos realizados em prol da capoeira, será sempre lembrado por seus seguidores e outros capoeiristas que tiveram a felicidade de conhecê-lo.


Fontes de referência:

* http://bibliotecadacapoeira.blogspot.com.br
* http://danielpenteado.com.br